Giro Ipiaú

Brasil é o país que mais tem casos de depressão na pandemia

Foto: Reprodução

Tristeza profunda, perda de interesse, ausência de ânimo e oscilações de humor são alguns dos sintomas da depressão, doença que atinge 300 milhões de pessoas no mundo, quase 12 milhões delas no Brasil. Pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo (USP) em onze países, apontou que a pandemia da Covid-19 agravou os casos no país. Segundo o estudo, o Brasil é o que mais tem casos de ansiedade (63%) e depressão (59%).

A angústia que não é passageira é um tremendo desafio para pacientes, amigos e familiares, porque, além das dificuldades do tratamento, os sintomas podem interferir diretamente na vida pessoal. Se o vínculo for amoroso, então, o impacto pode ser ainda maior. Mas o apoio do parceiro é, justamente, um dos pilares fundamentais para a adesão do paciente ao tratamento.

A psicóloga Niliane Brito, criadora do projeto Amour, explica que relacionar-se amorosamente com uma pessoa em depressão não é simples, mas que é possível, sim, manter o relacionamento.

“Uma pessoa com depressão precisa da escuta do parceiro, do acolhimento. Deixar de lado o julgamento é fundamental. Uma boa relação amorosa não resolve, mas pode sim ajudar em um quadro depressivo. No entanto, a doença pode interferir no humor do casal e nesse caso, a terapia não só para a pessoa que sofre de depressão, mas também para o parceiro dessa pessoa, é fundamental para que a harmonia e a saúde mental, fundamentais para qualquer relacionamento, sejam mantidas”, explica.

Niliane pontua ainda que o primeiro passo para ajudar o par a enfrentar a doença, é reconhecer que a pessoa está fora do seu padrão normal de comportamento e que pode estar doente. Logo depois, incentivar a busca por ajuda médica e psicológica.

“Sem dúvida, a luta contra a desistência do tratamento é muito mais leve quando o companheiro do paciente é compreensivo, especialmente nos casos graves de depressão. Além disso, o parceiro pode estimular a boa alimentação, o exercício e estabelecer um bom padrão de sono, fatores que auxiliam muito no tratamento da doença”.

Ampliar a rede de cuidado e proteção, não tornar a depressão um tabu e pedir ajuda às pessoas próximas também são fatores fundamentais.
“Isso faz com que a pessoa em crise depressiva veja que não está sozinha. O amor salva muitas vidas”, afirma Niliane.


Curta e Compartilhe.

Deixe um Cometário


Leia Também

Scroll Up