Giro Ipiaú

Discurso do pastor Carlos César na PIB de Ipiaú repercutiu nacionalmente

Foto: Reprodução/Youtube

Repercutiu nacionalmente a polêmica estabelecida após um pronunciamento do Pastor Carlos Cesar Januário, durante um culto na Primeira Igreja Batista de Rio Novo, em Ipiaú. Na pregação o religioso se referiu ao relacionamento entre pessoas do mesmo sexo como “homossexualismo” e sugeriu boicote a empresas que promovem o ativismo LGBTQIA+. Também combateu campanhas como o Dia do Orgulho LGBTQIA+, que fazem apologia ao referido procedimento. Disse isso por acreditar na inviolabilidade do lugar de culto e da liturgia da igreja.

Acontece que sua fala estava sendo transmitida pela Internet ( YouTube) e o termo homossexualismo – com ISMO no final – é considerado pejorativo, já que o sufixo remete à classificação como doença. O termo correto é homossexualidade, cujo sufixo-DADE designa comportamento. Com base nesse argumento militantes LGBTQIA+ acionaram o Ministério Público contra o pastor e publicitaram que o seu discurso teve teor homofóbico e propagou o ódio. A denúncia foi apresentada pelo servidor público federal Mateus Cayres, de 29 anos, após ser informado do fato por uma pessoa que assistiu o culto.

A partir de então o assuntou ecoou nas redes sociais e até mesmo na grande imprensa, dividindo opiniões, colocando mais fervura no caldeirão da polemica.

Termo de Conduta

Após assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), o pastor utilizou um tempo, no culto do dia 10 de novembro, o qual também foi transmitido pela internet, enquanto o perfil oficial da igreja publicou uma foto do TAC nas redes sociais com a legenda “Momento de Retratação. Nas audiências com a promotora de Justiça Alícia Violeta Botelho, o religioso destacou que não há, de sua parte, elementos de preconceito contra as pessoas homossexuais.

Reação no meio evangélico

A comunidade evangélica reagiu em defesa do pastor Carlos César Januário. A Ordem dos Pastores Batistas do Brasil manifestou repúdio à ação sofrida pelo Pr. Carlos Januário e solidariedade ao momento de tensão, fazendo isso através da Nota Publica (veja aqui). A respeito do assunto também se pronunciou a Convenção Batista Baiana (veja aqui) e outras entidades religiosas, além de parlamentares. Até o televangelista Silas Malafaia (ver aqui) e outros lideres religiosos se manifestaram.

Ao ser citado em algumas dessas notas e pronunciamentos, o Ministério Público publicou uma Nota de Esclarecimento a respeito do TAC firmado entre a 4ª Promotoria de Justiça de Ipiaú e a PIB de Rio Novo. Confira aqui


Curta e Compartilhe.

Deixe um Cometário


Leia Também

Scroll Up